Tabagismo

 

Tabagismo: ativo ou passivo, péssima opção!

 

Muitas foram as críticas a respeito da proibição do tabaco em locais públicos. Em geral, as alegações eram de que tal atitude infringia o direito à Liberdade Humana.

O que se desconhece é que tal proibição foi alicerçada em inúmeros estudos que mostraram o grande impacto do cigarro sobre a Saúde Pública, com malefícios para a população usuária e também para aqueles que passivamente inalam sua fumaça.

Você sabia que uma hora de exposição passiva ao tabaco equivale a fumar ¼ de maço de cigarros? Agora, multiplique isso por horas de inalação, como o que pode acontecer com quem habita com um tabagista ou quem trabalha, por exemplo, num recinto fechado, sem proibição do fumo. Não seria esta também uma imposição à liberdade? Qual o meu direito de impor algo que prejudique a saúde de meu semelhante?

O prejuízo do tabaco a Saúde deve-se a seguinte fisiopatologia: ele libera vários compostos nocivos que passivamente vão para a circulação sanguínea, alterando funções metabólicas normais. O monóxido de carbono, por exemplo, um dos principais resíduos, se liga rapidamente a hemoglobina, que deveria estar ligada ao oxigênio, para cumprir sua função de oxigenação dos tecidos, função vital para nosso organismo.  O resultado não poderia ser outro. Além da desvitalização orgânica, com inúmeros prejuízos, relacionados ao envelhecimento precoce, divisão celular anormal (por ação negativa no DNA), e problemas respiratórios de toda natureza.

Em gestantes, provoca aumento nas taxas de abortamento, prematuridade, baixo peso fetal, placenta previa, morte súbita do recém-nascido e aumento significativo da morbimortalidade.

Em pessoas da terceira-idade esta relacionado a problemas respiratórios crônicos, problemas cardiovasculares, aumento da incidência de cânceres, envelhecimento precoce, entre outros.

Não tenho como pretensão mudar os hábitos enraizados dos tabagistas com este texto, ainda que fortemente aconselhe meus pacientes a buscar os inúmeros recursos oferecidos atualmente pela Medicina: psicoterapia cognitiva o uso de antidepressivos específicos, adesivos de nicotina, acupuntura etc.

Apenas peço que ao acender um cigarro, tenham a fineza de não prejudicar quem esta a sua volta. Afinal, como diz Simone de Beauvoir: “O homem é livre; mas ele encontra a lei na sua própria liberdade”.

 

Foto: Divulgação

 

 

Adicionar comentário