Suzy Bernard

 

Uma belíssima entrevista com a ativista Suzy Bernard onde o Portal Amantes da Vida conclui que finalmente chegou o tempo para ela se dedicar “full-time” à sua grande paixão – Os animais.

AV- Em que momento da sua vida deu-se o início efetivo a sua luta pelos animais?

SB- Minha luta pelos animais começou desde que eu era muita criança, chorava, sentia-me infeliz cada vez que ficava a par de algum sofrimento imposto a qualquer espécie de animal, mas com o passar dos anos tudo se tornou mais claro, hoje sei que esse realmente é meu ideal.

AV- Você atua em alguma ONG?

SB- Desde o mês de fevereiro que participo do Move, uma ONG que luta pelo direito dos animais, nesse momento ainda não tenho um cargo definitivo, mas com meu contato com a “Fundation Brigitte Bardot”, e o desenvolvimento da Move, vou ter uma participação mais ativa e no futuro espero ser a vice-presidente.

AV- Que resultados objetivos têm sido alcançados nas campanhas abraçadas?

SB- Penso que a última campanha sob os maus tratos animais, obteve grande comparecimento de público na Avenida Paulista no mês de janeiro último, e conseguimos uma maior conscientização da população dos riscos que sofrem aqueles que maltratam o abandonam animais. Estamos tentando conseguir leis mais rígidas, onde espero que o Brasil se torne mais digno e encontre seu lugar no mundo civilizado no tocante aos direitos de todos os animais.

AV- A preocupação do respeito aos animais tem repercussão idêntica no Brasil e outros países?

SB– Em minhas viagens, contatos com ONGs e organismos internacionais, penso que em vários países europeus e nos Estados Unidos a repercussão é bem maior que no Brasil.

AV- Pode haver extinção natural de determinada espécie atualmente?

SB- Natural penso que não. A maioria das espécies presentes hoje no mundo atual deve sua extinção ao homem, caças indevidas, desmatamento, poluição, agro-tóxicos, e acidentes naturais causados pelo não respeito ao eco-sistema.

AV- Correntes entendem que criatórios de determinados animais a serem usados em vestuários, por exemplo, contribuem para a preservação da espécie. Como você se posiciona frente a elas?

SB- Essa idéia é absurda, criar animais para abatê-los posteriormente não contribui em nada para sua não extinção. Criar para levá-los a morte, seja para vestuário ou qualquer outro motivo, é preferível que sejam extintos a fazê-los sobreviver no sofrimento. O que a maioria ainda não entendeu que os animais na maioria de suas espécies sentem e sofrem como nós. Eles têm instinto materno, amam, sofrem etc. Para nós que conhecemos, entendemos e os amamos, animais são como um ente querido que precise ser protegido.

AV- Você é filiada a alguma organização internacional? Em caso positivo, como se deve seu ingresso?

SB- Sou filiada a varias organizações: a Peta com sede em Londres, ao Greenpeace, e a “Fundation Brigitte Bardot”. Nas duas primeiras filiei-me pela internet e pago uma pequena mensalidade que é debitada em cartão de crédito. Qualquer pessoa pode fazê-lo. Na “Fundation Brigitte Bardot” fui convidada, sendo assim isenta da mensalidade, pois esta apóia todas as ações do Move Institute do qual sou colaboradora. No Brasil faço parte do Move Institue e da “Cadeia Para quem Maltrata os Animais” – ONGs brasileiras sem fins lucrativos.

AV- Como é feita a divulgação de campanhas na Internet?

SB- Em petições públicas que divulgamos em nossas páginas em redes sociais, estas normalmente são criadas por ONGs ou por qualquer pessoa que queira enviar um pedido para o Ministério Público. O facebook é nosso grande aliado. Pessoalmente possuo quase 3.000 amigos a grande maioria é engajada em algum movimento em prol animal.

AV- Qual a importância do IBAMA junto à preservação dos animais em extinção.

SB- O IBAMA como tudo no Brasil não ajuda muito, existe interesses governamentais e tudo que depende do IBAMA na maioria das vezes não funciona muito.

AV- Emoções fortes devam movimentá-la no seu trabalho de ativista. Quais as mais relevantes?

SB- Quando abraçamos essa causa, logo no início ficamos cientes que nosso sofrimento será muito grande. Fazer o ser humano entender o mundo animal é tão difícil quanto erradicar a fome no mundo, mas qualquer vitória por menor que seja cobre qualquer frustração. Para mim a maior emoção foi entender que consegui me tornar uma pessoa melhor e que meu ideal é tão forte que nunca estarei só. Que não preciso de religião e nem crer em um ser superior, pois aprendi a ler nos olhos dos animais, neles está o divino.

AV- As petições públicas sobre algum direito que venha beneficiar o animal, tem resultados efetivos?

SB- Se você conseguir aderentes em número suficiente para que sejam enviadas ao Ministério Público, elas acabam trazendo resultados efetivos para o benefício de nossos animais.

AV- No momento, quais as causas que você está abraçando?

SB- Primeiro que o projeto para o envio de 30 mil jegues para a China, para serem utilizados como alimento em pesquisas não seja aprovado. Não vamos permitir a criação desses pobres animais, não sei se conseguiremos, mas nosso empenho está sendo muito forte. Consegui pessoalmente a colaboração da “Fundation Brigitte Bardot” e estou trabalhando para ter a ajuda de varias ONGs internacionais. As outras são: a interdição de animais para espetáculos em circos, o fim dos rodeios e vaquejadas no Brasil. No exterior o fim das touradas.

 

Comentários 4

  • Mozart Guariglia de Oliveira25/01/2013 em 18:04

    Quando olhamos dentro dos olhos de uma criança é quase o mesmo que sentimos com nossos animais…Ali reside o Divino, é verdade Suzy. Hoje vi uma filmagem sobre um golfinho que pediu ao seu modo que um mergulhador tirasse dele um anzol com uma longa linha de nylon enrolada na nadadeira do lado direito que por certo iria matá-lo, enviada por uma amiga que reside na Austrália e também ama os animais. Chorei muito de tanta emoção e olha que sou um idoso de 68 anos, médico que já viu muita coisa na vida!
    Abraço fraterno Suzy. Um beijo amiga Aninha! Obrigado por trazer para nós tanta gente tão interessante e boa!

  • Maria Eugenia Cerqueira16/07/2012 em 01:17

    Ah, “se todos fossem iguais a voce, que maravilha viver”! Parabéns por sua dedicação e consciencia! Agradeço a Deus, por haver pessoas com seu engajamento.

  • Nelio Brum13/04/2012 em 14:28

    Parabéns amiga. Espero chegue o dia em que entrevistas e matérias sobre o assunto sejam mais veiculadas, em prol dos animais e dos homens.

  • Susana Niemeyer13/04/2012 em 01:01

    Parabéns Suzy Bernard, por suas claras colocações sobre o ativismo em prol de nossos amados e indefesos irmãos animais! Identicamo-nos em nosso sofrimento por eles, já na infância de nossas vidas.
    Fraterno abraço.
    Susana Niemeyer.

  • Adicionar comentário