Renée Lefèvre

 

“Via Castelli: A Casa de Renée Lefèvre”

De 19 de março a 19 de abril, o público pode conferir obras de Renée Lefèvre, uma das mais destacadas paisagistas brasileiras de todos os tempos; em exposição ambientada na própria casa onde a artista viveu e manteve seu ateliê durante décadas.

A maior parte das 18 obras que compõem esta exposição – com curadoria do crítico de arte Enock Sacramento, foram pintadas na casa de número 341 da Rua Martinico Prado,  na qual viveu – do nascimento até o início dos anos1970, a artista Renée Lefèvre (1905-1996).  O imóvel abriga, desde 1977, um dos mais tradicionais restaurantes da região de Higienópolis e de Santa Cecília, em São Paulo, o Via Castelli.

Datada do início do século XX, a casa foi construída em um dos terrenos do loteamento da Chácara Palmeiras, de propriedade de Angélica de Souza Queirós Barros, que deu origem a várias ruas do bairro, entre elas a Rua das Palmeiras e parte da Avenida Angélica. Ao lado desta chácara, situava-se a chácara da Dona Veridiana, que originou a rua de mesmo nome.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

De cavalete em mãos, Renée pintou várias dessas chácaras com suas alamedas, esquinas e casarões. De acordo com o curador e membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte, Enock Sacramento, “a exposição “Via Castelli: A Casa de Renée Lefèvre” privilegia as paisagens dos bairros de Higienópolis e de Santa Cecília, de  seu quintal, do interior de sua casa, de vasos com flores de seu ateliê, de pessoas de sua convivência, tais como sua mãe Isaura e a filha de sua empregada, Verinha. Tudo com muita competência e sensibilidade”.

Após longas temporadas na França, Renée voltou para São Paulo, e no ateliê instalado em sua casa, continuou recriando, gráfica e pictoricamente, a cidade. De seu bairro até regiões periféricas, revelou muitos aspectos de São Paulo que já não existem mais. Em viagens pioneiras pelos quatro cantos do Brasil, Renée tornou também conhecido muito do que hoje integra o patrimônio histórico e cultural do país.

Livro revela a trajetória da artista

Na abertura da exposição, no dia 19 de março, além de apreciar o conjunto das obras, os visitantes poderão também adquirir o livro “Renée Lefèvre”, de autoria de Enock Sacramento, que estará presente para autografa-lo. Com edição luxuosa, 148 páginas e textos em português e francês, o livro apresenta uma pesquisa criteriosa, mostrando as diversas fases e as temáticas da artista, possuidora de uma obra única no âmbito da arte brasileira do século passado.

As pesquisas de Enock Sacramento mostram uma artista à frente de seu tempo, inteiramente dedicada ao trabalho e com intensa atuação no meio artístico, principalmente, nas décadas de 1930 e de 1940. Independente, foi secretária do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo, durante a gestão da presidente Anita Malfatti.

Renée Lefèvre não se casou, viajou por várias vezes à Europa e por regiões do Brasil para desenvolver a sua arte. Do interior de São Paulo, seguiu depois pelas estradas de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Paraíba, Maranhão e Ceará, chegando até Belém do Pará, onde realizou uma deslumbrante série de pinturas referenciadas no cais Ver-o-Peso.  Acabou transformando-se na desenhista e na pintora do Brasil. “Sua obra atingiu tal nível de qualidade e de conteúdo que o crítico Geraldo Ferraz, do jornal O Estado de São Paulo, chegou a sugerir a aquisição de toda sua produção pelo patrimônio artístico e histórico nacional”, afirma Sacramento.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Exposição “Via Castelli: A Casa de Renée Lefèvre”

Sessão de autógrafos: Livro “Renée Lefèvre”, de Enock Sacramento

Grátis, de 19 de março a 19 de abril.

Horário: De segunda a quinta, domingos e feriados: das 11h às 15h30 e das 18h à 0h30 – Sextas e sábados: das 11h até 01h da manhã.

Endereço: Rua Martinico Prado, 341 – Higienópolis – São Paulo, SP.

 

Adicionar comentário