Pela Toscana

Folheando uma revista esta semana, deparei com um super novo drink que me lembrou um detalhe no mínimo curioso, que observei desta vez na romântica Toscana. Quer coisa mais gostosa do que bebericar acompanhando um gostoso couvert enquanto espera um romântico almoço /jantar? Pois recentemente percorrendo a Toscana, passei dias sem conseguir tomar um  mero singelo gole de aperitivo.

Invariavelmente saía dos restaurantes me sentindo uma criminosa de guerra, pois cada vez que ousava pedir um drink, recebia como resposta do garçom, um Não seco, acompanhado por um olhar pra lá de incriminatório e uma resposta “Qui sollo vino”.

 Fizesse eu a linha insegura, me esconderia debaixo da mesa e imploraria desculpas pela desfeita altamente ofensiva que fizera… Sendo a Itália um país de vinho, acho que em determinadas regiões, definitivamente boicotam os aperitivos.

A frustração teve um intervalo quando chegamos a Siena. Enquanto descíamos uma das escadarias escuras que levam à Piazza Del Campo, aguardava com prazer, encher minha vista com as características da praça em concha. Não bastando ser domingo, o sol dava um brilho especial nas centenas de pessoas que se espalhavam pela praça. Aí então, voei legal. Cheguei até a imaginar que estava para começar a corrida do Pallio, mesmo sabendo não ser esta a estação da festa.

Como em todas as praças que se prezam na Itália, nesta também vários restaurantes se instalam ao redor. Eis que olho de relance para as mesas e vejo que em muitas delas, nuns grandes copos de vinho tinto  havia um  líquido cor de Fanta, onde  boiavam umas pedras de gelo ao lado de uma fatia de laranja. Não podia ser um mero refrigerante. Meus olhos se hipnotizaram na hora e perdi de vista os objetivos da visita.

Que corrida medieval, que campanário majestoso que nada. Só  queria saber o que era aquela bebida que contrastava com as toalhas brancas de todas as mesas.

Ataquei o primeiro garçom que vi e só indaguei  se aquela coisa de cor maravilhosa era alcoólica. Diante da resposta afirmativa, minha criança interna só faltou bater palmas e assoprar as velinhas. Conheci assim o Spritz, drink que revi na revista hoje.

Trata-se de uma feliz combinação de uma dose de Aperol (apesar do nome e de ser ligeiramente amargo… não é remédio), duas doses de água com gás, três doses de Proseco, uma fatia de laranja e gelo! Aos que embarcam atrás de cultura, de história… meus perdões.

Siena para mim é o oásis da Toscana, onde impera o aperitivo de cor mais linda do planeta – o SPRITZ.

Foto:Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

 

Adicionar comentário