Os Sete Pecados Capitais

As armadilhas a que o investidor está exposto no momento da tomada de decisão na hora de investir

Foto: Divulgação

Sem cultura de investimento a longo prazo e pouco a vontade no universo das finanças, a pessoa física brasileira enfrenta uma série de armadilhas na hora da tomada de decisão.

Para Aline Rabelo, Coordenadora do Investmania, esta situação ocorre devido a pouca ênfase em educação financeira e ao conservadorismo excessivo, enraizado após décadas de instabilidade econômica e inflação galopante. “Estes fatores vêm levando o investidor a lidar com seu orçamento como fazia há décadas atrás”, lamenta a executiva.

Foto: Divulgação

Segundo Aline, mesmo com a queda das taxas de juros e as alterações nas regras de remuneração da poupança, a tradicional caderneta ainda é considerada, por muitos brasileiros, o porto seguro de suas economias. “Dados divulgados pelo Banco Central revelam que no acumulado do primeiro quadrimestre deste ano, a captação líquida da poupança chegou a R$ 13,197 bilhões, mais do que o dobro do antigo recorde, alcançado em 2010 (R$ 5,942 bilhões)”, informa.

E no mercado de renda variável a pessoa física é cada vez mais uma raridade. Conforme apuração da BM&F Bovespa, em abril apenas 15,05% dos investimentos em ações na Bolsa de Valores de São Paulo foram realizados por este público, incluindo os investidores individuais (14,41%) e clubes de investimento (0,64%). “A baixa valorização do IBOVESPA e os reflexos da crise externa vêm afugentando muitos investidores. Nesse sentido, é importante a pessoa física olhar para as companhias listadas em bolsa, mas que estão fora do índice, e buscar a compra dos ativos daquelas que estão, sim, conquistando bons resultados financeiros”, recomenda.

Além das razões já enumeradas, alguns comportamentos intrínsecos ao investidor também podem levá-lo a tomar decisões equivocadas ou amargar prejuízos em suas finanças.  Vamos conhecer agora os sete pecados capitais cometidos por muitos na hora de investir, armadilhas perigosas para aqueles que desejam realmente formar um fundo de reserva para o futuro:

LUXÚRIAapego demasiado ao presente e aos prazeres da vida. “A visão de curto prazo reduz as opções de diversificação da carteira e, consequentemente, a rentabilidade que o investidor poderia obter se escolhesse produtos com prazos mais longos”, alerta Aline;

GULAdesejar que a rentabilidade cresça de forma exorbitante, independentemente do cenário econômico. “O investidor brasileiro deve compreender que todos os investimentos, sejam títulos do governo, ações ou fundos, são suscetíveis ao vai e vem do mercado e às influências do que acontece no cenário externo”;

AVAREZAapego exagerado ao dinheiro. “O apego demasiado vem do conservadorismo e pode acarretar uma aversão ao risco, necessário para a conquista de uma rentabilidade mais competitiva na atualidade”, observa a executiva;

IRAo sentimento de ira pode surgir de perdas passadas. Segundo a coordenadora, este sentimento é muito comum em pessoas que já investiram em ações, por exemplo, não mensuraram adequadamente os riscos e acumularam prejuízos irreversíveis. “Quem nunca ouviu de um amigo ou alguém próximo algum depoimento negativo sobre o mercado de renda variável? Mas não se deixe influenciar, conhecendo profundamente os fundamentos das empresas nas quais se pretende investir, é possível mitigar riscos”, aconselha;

SOBERBA”meu investimento é o melhor, e pronto!”. O investidor consciente e assertivo é aquele que está aberto às novas possibilidades que o mercado oferece. Por que não comprar títulos públicos ou ETFs? Relativamente novos no Brasil, estes produtos podem ser boas opções até para quem tem objetivos atrelados à aposentadoria;

VAIDADEinvestir em determinado ativo para conquistar a admiração do outro. Para Aline, o investidor não deve seguir as escolhas alheias ou modismos. “Monte a sua carteira respeitando o seu perfil, seu apetite por riscos e objetivo”;

PREGUIÇAnegligência no momento de escolher o seu investimento. Neste ponto, Aline é enfática. Quem quer investir bem, não pode ter preguiça de buscar informação. Basta procurar fontes e canais confiáveis. E a internet pode ajudar.

Foto: Divulgação

 

Adicionar comentário