O passado no presente

 

Quem teve o privilégio de vivenciar os “points” internacionais da década de 60, provavelmente também já teve a oportunidade de se frustrar e muito ao retornar a eles.

Chegar à  ex-esfuziante Carnaby Street e constatar que de todo aquele burburinho revolucionário nada restou e ainda por cima deparar-se com uma faixa alusiva à época áurea… é sentir-se personagem de um livro de história.

Foto: Divulgação

Tomar um cappuccino na Via Veneto já é menos traumatizante, pois ao invés das celebridades e paparazzi espalhafatosos, meros curiosos estrangeiros estarão por lá registrando nos mínimos detalhes nos celulares o local que viram em algum filme. Mas ao menos… nada de fotos de Sophia Loren, Marlon Brando e Jane Mansfield marcando época.Os bares ficaram congelados no tempo, à espera da ressurreição do glamour.

Em compensação ir ao Pied de Cochon de Paris, a autêntica sopa de cebola dos tempos do Halle, nos traz o sabor da juventude. Curioso como paladar tem memória!

Foto: Divulgação

Do simples, mas super badalado restaurante encravado em pleno mercado Halles, onde artistas e celebridades se reuniam de madrugada, nada restou é verdade. Os azulejos brancos que cobriam a pequena sala foram trocados por paredes e mais paredes revestidas com painéis floridos de gosto duvidosos.

Os açougueiros desfilando noite  a dentro com enormes pedaços de carne que manchavam de sangue seus aventais brancos, viraram transparentes. As lâmpadas frias foram trocadas por lustres com tulipas de cristal, com descabidas uvas penduradas nelas.

Tornou-se um local de turistas e os parisienses  mal reconhecem nem mesmo o valor agregado no bistrô do mercado que também não existe mais. Sabem apenas que é um dos pouquíssimos restaurantes que tem por tradição, ficarem aberto 24 horas.

Mas quem por lá passou nos anos dourados, mesmo estranhando a brega decoração atual, ao deparar-se frente  à frente com a clássica sopa de cebola gratinada… terá uma festa !!!!! Mantém absolutamente idêntica.

Foto: Divulgação

Aos curiosos de passagem por Paris, o Pied de Cochon fica no Chatelet/Halles, 6 Rue Coquilliere. Com o frio que anda fazendo, torno o Portal “Amantes da Vida” portador da receita que sem a menor dúvida se tornou a mais aplaudida da culinária parisiense La soupe d’oignon. Segue abaixo:

– 2 cebolas grandes e doces

– 100 grs. de manteiga

– 30 grs. de farinha de trigo

– 1 dente de alho picado

– 1,5 litros de caldo de carne de verdade

– 6 fatias finas de baguete torrada ligeiramente

– Sal-pimenta do reino

– 20 ml de brandy ou Porto

– 400 grs. de Gruyere ralado

Preparo:

– Cortar as cebolas em Juliana (rodelas superfinas);

– Colocar numa panela a manteiga que é a verdadeira base desta sopa;

– Quando a manteiga estiver derretida, juntar a cebola, o alho, sal e pimenta;

– Ficar misturando suavemente com uma colher de madeira a cebola até que ela fique transparente ou translucida (não deve pegar cor);

– Fogo bem baixo e muita paciência, pois demoram uns 20 minutos para ficar no ponto certo sem queimar;

– Pulverizar a farinha de trigo e misturar muito bem;

– Acrescentar o brandy e deixar uns 2 minutos para evaporar;

– Juntar o caldo de carne e deixar por 15 a 20 minutos em fogo baixo;

– Untar com alho, refratários individuais, colocar em cada um a sopa com as torradas por cima;

– Cobrir com muito gruyere ralado e colocar em forno pré-aquecido a 200graus. Gratinar a 220graus durante 5 a 6 minutos e servir imediatamente. VOILÀ!

Foto: Divulgação

 

Adicionar comentário