Monet em Giverny

 

Ao lado das grandes metrópoles escondem-se tesouros que passam desapercebidos pelos turistas pouco atentos. A apenas 40 km de Paris, por exemplo, a pequena e charmosa Giverny conserva com respeito, o maravilhoso jardim bolado por Claude Monet.

O carro-chefe do impressionismo, adorava pintar ao ar livre, onde o jogo de luz e sombra era a base de sua inspiração maior. Aliás, diga-se de passagem, que graças ao seu quadro “A impressão nasce do sol”, seu inovador estilo passou a ser chamado  de impressionista.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Sei lá como, Monet acabou indo parar no pequeno vilarejo. O fato é que ele se apaixonou tanto pelo pedaço, que mudou-se de malas e cavaletes para lá em 1883 e ali permaneceu criando, até a sua morte em 1928. Como todo gênio que se preze tem um pouco de louco, Monet resolveu criar sua própria paisagem para que suas tintas as registrasse.

Conforme relatos de historiadores, ele ficava uma fera quando ia dormir imaginando o que faria no dia seguinte e ao acordar, o tempo estava nublado e não correspondia ao seu desejo. Mas… tudo bem. Não vamos dar uma de fofoqueiros de plantão!

O que interessa é que ele imortalizou em seus aparentes “borrões” suas obras realizadas em Giverny, onde a que mais se destaca é a série Nenufares, sendo que um dos quadros foi vendido pela Sothebys em Londres por 26 milhões de EUROS!

Para produzir esta famosa série, Monet mandou construir em seu jardim uma bucólica ponte oriental que se instalaria sobre um também artificial riacho. Claro que já tinha em mente, flagrar com suas tintas, a dança das vitórias régias embaladas com o movimento das brisas. Prevendo o sucesso que acalentaria não só o seu ego, mas o mundo inteiro da arte, este seu projeto tornou-se uma obsessão  até ser concluído.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Percorrer o maravilhoso jardim no século XXI, tem-se a impressão de que todas as flores sabem que suas ancestrais foram famosas modelos. Não há disputas entre elas. Dálias enormes não tiram a graça das pequenas violetas a seus pés.O resultado final é uma sinfonia visual estarrecedora! Tirar uma foto em cima da tal ponte, é simplesmente um luxo!

Tudo bem encarar a Tour Eiffel e as filas para apreciar as centenas de exposições na maravilhosa Paris, o que é imperdoável é não reservar um bate-volta rapidinho em Giverny.

Percorrer a casa do super renomado artista é entrar tanto na intimidade de Monet, que passa a sensação de ter sido amigo de juventude de Claude.

C´est ci bon !!!!!!

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

 

Adicionar comentário