Luciano Fiaschi

 

Arquiteto Paisagista  

Formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo em 1968, iniciou sua carreira profissional na firma do Arquiteto Paisagista Roberto Coelho Cardozo e dos Arquitetos Antonio Augusto Antunes Netto e Marcos de Souza Dias, participando de projetos de Arquitetura de Paisagismo. A partir de 1971, estabeleceu escritório próprio, dedicando-se exclusivamente à Arquitetura Paisagística.

Em 1979, constitui a firma Luciano Fiaschi Escritório de Paisagismo SC Ltda., mais tarde denominada Luciano Fiaschi Arquitetura Paisagística Ltda. 

É sócio fundador da ABAP- Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (1976), tendo sido membro de seu Conselho Diretivo em várias gestões.

Em 1977 lecionou “Arquitetura de Exteriores” na Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie.

Complementando sua formação, foi aluno ouvinte dos cursos “Anatomia Vegetal” e “Taxonomia de Fanerógamos” da Faculdade de Biociências da Universidade de São Paulo.

Entre 1987 e 1.991 foi sócio da firma “KRAF- Planejamento Ambiental”, juntamente com os Arquitetos Paisagistas Rosa Grena Kliass, Madelena Re, e Benedito Abbud, que desenvolveu trabalhos na área de Planejamento Ambiental e Paisagístico e Estudos de Impacto Ambiental.

Luciano Fiaschi dedica-se a trabalhos que abrangem desde a escala do planejamento Paisagístico e Ambiental até a do jardim residencial, atuando em projetos paisagísticos para: loteamentos, conjuntos e condomínios residenciais, instituições de ensino e assistenciais, empresas públicas e privadas, indústrias, hospitais, clubes, hotéis, edifícios residenciais e de escritórios, sítios e fazendas residenciais.

AV- Como paisagista de sucesso, autor de projetos de grande porte como o aeroporto de Congonhas, quais os seus planos para o futuro?

LF- Pretendo simplesmente continuar trabalhando. Talvez eu tenha de encontrar uma forma de trabalho que implique em menor carga horária, prestando consultoria em projetos de arquitetura e arquitetura paisagística.

AV- Como foi este passo a passo na sua carreira?

LF- Iniciei minha carreira profissional trabalhando desde quando estudante no escritório do paisagista Roberto Coelho Cardoso, que despertou meu interesse pela arquitetura paisagística. Por volta de 1970, Cardoso mudou-se para o exterior e eu fui procurado por seus clientes para projetos de paisagismo. Até então, eu atuava no escritório do Cardoso como arquiteto. Aos poucos passei a dedicar-me exclusivamente a projetos de paisagismo.

AV- O que você fez voltar-se para o paisagismo?

LF- Aos poucos foi aumentando a quantidade de projetos de arquitetura paisagística e eu fui deixando de lado os projetos de arquitetura. No entanto, sempre fui um arquiteto trabalhando em projetos de paisagismo.

AV- Como integrou suas atividades profissionais às responsabilidades familiares?

LF- Sem problemas. Sempre trabalhei próximo de casa e estive bem presente na educação dos meus filhos.

AV- Qual sua grande força motriz?

LF- O prazer de desempenhar uma atividade criativa e de trabalhar algumas vezes em equipe com ótimos profissionais.

AV- Se voltar atrás fosse possível, quais as alterações que faria?

LF- Procuraria ter mais compreensão, mais calma e mais doçura.

AV- Como a “Melhor Idade” repercutiu em você, física e mentalmente?

LF- Fisicamente percebo limites e é difícil aceitá-los. Mentalmente sinto-me ainda bem ágil, mas estou bem mais distraído e esquecido. Distraído acho que sempre fui.

AV- Amor e trabalho – como encarar esta relação?

LF- Não há nenhum drama nesta relação.

AV- Você acredita em paixão?

LF- Sim. Há tantas formas de paixão, tantas intensidades.

AV- Quais os seus hobbies favoritos?

LF- Gosto de cozinhar, de trabalhar com as mãos.

AV- Que tipo de música você curte? Costuma ouvir música com que constância?

LF- Música popular brasileira, mas não tenho ouvido muita música.

AV- Qual sua cor predileta?

LF- Não há cor predileta.

AV- Qual sua flor/planta predileta?

LF- Gosto de plantas com floradas vistosas e de curta duração.

AV- Quais os defeitos do Brasil em termos de paisagismo nas grandes cidades (se é que existe algum…)?

LF- Há uma completa falta de planejamento e de projeto do espaço público. O brasileiro não sabe apropriar-se do espaço do espaço público, prefere murar-se em condomínios junto com os seus iguais.

AV- Se fosse colocar em ordem de preferências, como classificaria seus focos: viagens, música, teatro, shows, praia, campo.

LF- Viagens em primeiro lugar. Desfrutar das grandes cidades e envolver-me em outras culturas.

AV- Um epitáfio/conselho:

LF- As coisas boas não custam caro, às vezes não custam nada…

 

 

 

 

Adicionar comentário