Jose Fernando Boucinhas

 

Todas as moedas têm dois lados.

O lado “cara” de Jose Fernando Boucinhas foi realçado pela colunista Maria Eugenia, na apresentação da Ana Boucinhas.

O lado “coroa” dá trato à dificuldade que um homem ponderado, sério, austero, “pé no chão” teria em atravessar uma vida tendo ao lado uma mulher ligada em 220 kWs.

Colocá-lo no Portal Amantes da Vida é mostrar a possibilidade que têm um casal maduro, com filosofias e conceitos diferentes, em se envolver num mesmo projeto.

 

AV- Como não poderia deixar de ser, como consegue conviver com a sua inquieta mulher?

JFB- Eu e minha querida mulher somos complementares. Por isto convivemos bem. Duas metades da mesma maçã. Enquanto ela me empurra eu a seguro e assim vamos levando a vida.

AV- Como você tem visto o desempenho profissional das pessoas maduras do século XXI?

JFB- Sem trocadilho, não creio que maturidade seja uma questão de idade. Maturidade, a meu ver é a capacidade das pessoas tomarem decisões após análise acurada da situação enfrentada. Os grandes líderes empresariais e políticos não agem por impulso. No século XXI, como de resto em qualquer século, nossos principais líderes devem ser firmes ao decidir. Erros ocorrerão o importante será saber corrigi-los. Parece-me óbvio que as experiências acumuladas ao longo da vida contribuem para decisões mais maduras, porém isto não implica em descartar novas lideranças. Afinal de contas a renovação é uma clausula pétrea da vida.

AV- Com seu notório conhecimento de economia, qual o impacto que o aumento da expectativa de vida do brasileiro traz para a economia nacional?

JFB- Agradeço pela expressão “notório conhecimento de economia”.  Como economista que sou a análise das questões econômicas é uma das minhas obrigações.  A esperança de vida do brasileiro, praticamente dobrou nos últimos setenta anos. E continuará aumentando nas próximas décadas. Esta tendência, associada à queda da natalidade, implica no envelhecimento da população, com grandes implicações sobre o sistema previdenciário. Este é um dos grandes desafios a serem enfrentados pelos nossos governantes. Acabou-se o tempo da concessão de benefícios sem garantia de recursos para viabilizá-los. Afinal não existe almoço de graça. Nos próximos anos veremos a definição de nova idade de aposentadoria, de aumentos nas contribuições previdenciárias, etc. O governo, já reformulou a custosa previdência pública, para os admitidos a partir de 2012 ao sistema, estabelecendo um valor mínimo de aposentadoria, igual ao do trabalhador do setor privado, e se aos novos funcionários desejarem auferir valores superiores a este, devem contribuir a um fundo de previdência. Na Europa as mudanças no sistema previdenciário têm provocado grandes reações, algumas violentas, mas elas são inevitáveis. Afinal mesmo o Estado do Bem Estar Social lá implantado, requer ajustes, para ser mantido. E, isto infelizmente implica em menos benefícios. E, no Brasil não será diferente.

AV- Quais a seu ver, são as perspectivas para o Brasil em um mundo em crise como o atual?

JFB- A crise atual é profunda. É mais uma das crises do capitalismo e suas raízes estão no sistema financeiro. Em 2008, sua origem foi o desequilíbrio das instituições devido às gestões temerárias visando o lucro fácil e rápido. A crise atual decorre da dívida pública elevada em alguns países da zona do euro, que levaram à inadimplência da Grécia, e à intervenção das autoridades econômicas européias, visando preservar as instituições privadas, è mais uma vez a canalização do dinheiro público para as instituições financeiras privadas. Ainda para preservar suas economias e interesses os países europeus vêem sem questionar o Banco Central Europeu, inundar o mercado mundial de euros, imitando o que o Federal Reserve já fizera com o dólar, induzindo à desvalorização destas duas moedas, com o intuito de alcançar melhor desempenho econômico. A economia brasileira será impactada em 2012, seja porque o cambio permanecerá valorizado, seja porque a China, nosso principal parceiro comercial apresentará uma taxa menor de crescimento econômico (entre 5 e 7%). Já no Brasil vemos iniciativas lamentáveis do governo para proteger artificialmente a indústria, como é o caso das indústrias automobilísticas e do vinho. O protecionismo praticado pelo regime militar foi um desastre para o país e vamos pelo mesmo caminho, esquecendo de investir em infra-estrutura, educação e reduzindo a carga tributaria as únicas ações governamentais possíveis para melhorar o desempenho econômico do País em longo prazo.  Mas o governo optou pelo desastroso caminho do protecionismo deixando de lado a solução de problemas estruturais.

AV- Considerando que sua intimidade com o computador vem de longa data, sempre usado para fins profissionais, descobriu alguma maneira de torná-lo ferramenta para um “hobby” seu?

JFB- Desde a década de 60 sou um usuário de informática. Iniciei minha experiência trabalhando com computadores que à época ocupavam salas e hoje os que cabem na palma da mão são mais poderosos que os de cinqüenta anos atrás. Passei pelo entusiasmo da internet, das redes sociais e hoje fujo da ditadura do e-mail, acessando meu computador em dias e horas certas.  Mas a ele devo meu mais envolvente hobby: a edição de filmes, à qual dedico muitas horas.

AV- Qual o seu sonho de consumo no quesito lazer?

JFB- Adoro viajar e de preferência de Navio.

AV- Na sua condição de amante de viagem, quais os focos que merecem maior interesse à sua curiosidade?

JFB- A Ásia, o Oriente médio e o Mediterrâneo. Meu planejamento inicia a intenção de visitar a Europa Oriental, como uma das minhas prioridades.

AV- Sua fama de gourmand é conhecida. Das inovações na gastronomia internacional, qual o País que sem perder as características básicas, mais se destaca atualmente com a nova-cozinha?

JFB- Creio serem a Itália e a Espanha, as campeãs da nova-cozinha. O Brasil também tem mostrado grande evolução, mormente após aqui aportarem, a partir dos anos 80, chefes internacionais que deram novos usos aos ingredientes locais.

AV- Diante do imenso leque de interesses que lhe envolve, podemos considerar sua inclusão no nosso portal, para postar com regularidade o que lhe vier na alma de amante da vida?

JFB- É com prazer que aceito o convite, ou será uma intimação? Afinal, a proposta do site Amantes da Vida é moderna e profundamente estimulante!

 

 

Comentários 3

  • ALIETE M.V.PROSDOCIMO05/06/2012 em 23:03

    ENTRE OUTRAS COISAS QUE LI NA SUA ENTREVISTA E PARABENIZO SUA LUCIDEZ A RESPEITO DOS ASSUNTOS ABORDADOS ,CONCLUO COMO VOCE QUE VIAJAR E MUITO BOM MAS MELHOR DE NAVIO QUANDO PODEMOS CONHECER PESSOAS COMO VOCE E A ANA,
    COM ABRAÇOS DA AMIGA ALIETE.

  • Cléa Pilnik12/04/2012 em 22:26

    Acabei de passar a tarde dessa quinta-feira em sua casa com a Aninha, chegando li o seu depoimento e fiquei admirada com os seus posicionamentos e com a qualidade da sua análise. Isso só confirma quão necessário se faz esse portal como o dos Amantes da Vida para se conhecer a capacitação dessa nova geração de maturescentes. ou seja nós estamos no frscor do siniciantes d aterceira idade. Minhas congratulações, Cléa

  • maria cristina03/04/2012 em 02:24

    Demais!!!
    Esse é o cara, o coroa a gente não conhece!!
    Falou José querido!!
    Cuca

  • Adicionar comentário