Jamaica

 

Recifes de corais, águas transparentes e natureza exuberante, eis a imagem dominante da Jamaica, um país nas Caraíbas que é apresentado turisticamente como uma imensa estância hedonista, para além dos itinerários culturais e de memória histórica, possíveis, também, na ilha do reggae.

Foto: Divulgação

 

No antigo dialeto dos índios Arawak, a ilha era designada por uma palavra que significava “terra de árvores e água”, justo epíteto e metáfora da natureza da Jamaica. As paisagens superlativas são onipresentes, quer à beira mar, quer no interior, onde a cada passo se desenham cenários tropicais de savanas, mangais, floresta úmida e incansáveis cascatas. Se o litoral, onde abundam formações de recifes de coral e inúmeras praias de areia fina e dourada, constitui o centro das atenções da grande maioria dos turistas, as áreas protegidas do interior e os vários parques naturais merecem por si só uma viagem inteira.

Na parte leste da ilha, entre Kingston e Port Antonio, está o Blue and John Crow Mountains National Park, um espaço natural bem emblemático da riqueza e diversidade da ilha em termos de flora e fauna. Localizado a mais de mil metros de altitude, conserva mais de 100 espécies de borboletas, 3000 de plantas e 250 de aves, entre as quais cerca de 20 são exclusivas da ilha. É possível, também, visitar algumas plantações de café.

Foto: Divulgação

 

Subir o Rio Grande ou o Black River são também opções a considerar. O primeiro, um dos mais caudalosos da ilha, é alimentado pelas chuvas das Blue Mountain e atravessa zonas de floresta com árvores seculares, com um curso marcado por rápidos em algumas passagens. O Black River, localizado no sudoeste do país, no condado de St. Elizabeth, terra de origem do rum Appleton, é o maior rio da Jamaica. As zonas pantanosas do Parque Nacional Great Morass constituem habitats de grande número de crocodilos. É uma zona muito propícia, também, para a observação de aves (mais 100 espécies diferentes), organizada regularmente através de boat safaris.

Foto: Divulgação

 

As quedas de água são sem conta nesta ilha onde não faltam paragens que emulam cenários edênicos. As Dunn’s River Falls são as mais conhecidas, mas vale a pena também passar pelas de Sommerset, em Hope Bay, perto de Port Antonio, e explorar as do vale do Rio Grande, algumas localizadas em sítios quase impenetráveis. E, sobretudo, não perder as Ys Falls, no rio com o mesmo nome, no sudoeste da ilha, uma série de dez cascatas de dimensão variável, imersas num cenário de floresta cerrada e úmida. As piscinas naturais são simplesmente irresistíveis.

Foto: Divulgação

 

The sun is shinning, the weather is clear…” – o clássico de Bob Marley são insistentemente por toda a parte numa espécie de redundância hiper-realista que chega a cansar. Dificilmente alguém viajará para a Jamaica para conhecer os vestígios da cultura Arawak – designadamente, gravuras rupestres inscritas em várias grutas. E mesmo muita da realidade cultural, ou social, jamaicana passará ao lado da maioria dos visitantes, à exceção dos aficionados de alguns festivais de música. O país conquistou um lugar privilegiado nas rotas turísticas, sobretudo graças ao clima, às belíssimas águas azul-turquesa e às estâncias balneárias onde os turistas se abandonam a uma litania hedonista de sol e mar – nos resorts Hedonism, com reserva de admissão a adultos, as sugestões epicuristas alargam bem as suas fronteiras…

QUANDO VIAJAR PARA A JAMAICA

Qualquer época do ano é boa para viajar. A Jamaica tem um clima mais ou menos estável, com poucas variações de temperatura – tanto a do ar como a da água do mar mantêm-se próximas dos trinta graus.

Com uma afluência muito forte de turistas norte-americanos, o período entre Dezembro e Abril registra níveis elevados de ocupação das unidades hoteleiras. Maio e Junho são meses relativamente mais calmos, assim como o período de Setembro a Novembro, embora neste último a Jamaica possa ser visitada por furacões, normalmente breves e inofensivos. Esta é também uma época de chuvas nas Blue Mountains. Julho e Agosto são, obviamente, os meses mais concorridos pelo turismo europeu.

Foto: Divulgação

 

Fonte: almadeviajante.com

 

Adicionar comentário