Instituto Gallup

 

Pesquisa Instituto Gallup – EUA

Interessante o resultado da pesquisa feita pelo Instituto Gallup nos Estados Unidos. Após entrevistar mais de 500 mil pessoas, o Instituto chegou a uma conclusão que surpreendeu até os cientistas sociais.

   A terceira idade é a mais feliz de todas as idades!

Foto: Divulgação

A imensa maioria dos entrevistados com mais de 60 anos, declarou ter menos raiva, menos preocupações e sentirem  menos tristeza. O  incrível é que estas emoções negativas diminuem mais ainda ao longo dos anos.

O bem estar aos 70 anos, empata com o registrado aos 18 e  continua aumentando nos anos seguintes.

Não é por nada não, mas dos 18 aos 60, a vida é um trampo direto.

A juventude é a idade da experimentação, de riscos, onde os tais sentimentos negativos surgem a torto e a direita. A seguir vem a fase adulta, onde compromissos se apresentam incansavelmente no dia a dia.

Responsabilidade com trabalho, com bebes que viram crianças e que se tornam adolescentes, e a gente ali, cercando a prole por tudo quanto é lado.

Inegavelmente não são os bailes da terceira idade, nem as excursões ao litoral os fatores que estão reinventando a velhice, mas a real melhoria de renda.

A pesquisa foi feita exclusivamente entre cidadãos norte americanos, onde os fatores de felicidade na velhice estão atrelados às boas condições econômicas  e de saúde. Mas, bons ventos sopram dos lados da Universidade de Manchester-Inglaterra, mostrando que o Brasil caminha para ter um modelo de proteção econômica mais justa ao idoso.

Na medida em que o idoso deixa de ser um fardo, é muito provável que venha a ser o provedor nas famílias de baixa renda. Segundo o economista João Sabóia, os idosos no Brasil não tendem a fazer poupança e injetam o valor dos seus proventos no consumo, seja de forma direta ou por meio de doações aos familiares.

Mas os maduros brasileiros que independem de medidas governamentais, enquadram-se no perfil dos pesquisados americanos, pois efetivamente, “a experiência  torna o indivíduo mais competente para produzir a própria realidade, ao ter uma percepção mais exata sobre os valores dos elementos presentes em seu cotidiano. Ele interpreta a vida de uma maneira mais serena e faz escolhas com uma autoconfiança”, analisa  Rita Khater, professora de Psicologia Social da PUC-Campinas.

As pessoas tendem a viver para o momento e sabem da importância de fazer investimentos financeiros e afetivos seguros.

Conforme estudos do Instituto alemão Max Planck, a sensação do dever cumprido, permite ao mais experiente, desfrutar dos prazeres sem culpa finalmente!

Em face de seriedade que envolve as pesquisas Gallup, é bom não nos surpreendermos com o resultado apontado e assumirmos em caráter definitivo que estamos vivenciando a mais feliz de todas as idades.

As que se apegam ao passado ainda, que tratem de se voltar ao presente e descobrir maneiras para se encaixar no resultado irrefutável.

 

Comentários 2

  • Ana Boucinhas29/12/2012 em 08:33

    Entrar no mercado pra disputar tudo de novo?? Ao menos post 60 a concorrencia é menos desleal kkkkk

  • Marilena28/12/2012 em 20:38

    Vivo o presente com muita alegria , mas , se fosse possível voltava para os 35 muuuuuito feliz ! Kkkkkkkk

  • Adicionar comentário