Girando a maçaneta de mais uma porta do Conhecimento

por Ana Maria Boucinhas

Essa história de “recordar é viver” deve ter seus adeptos, mas, com todo o respeito, não é a praia dos coroas antenados

      Reler e reler o filme da vida é muito monótono. Para os neurônios, então, dá o maior tédio, o que é péssimo!!!!!! 

      O que passou já foi registrado e quando muito pode servir para alguma reavaliação para não repetir erros. Mesmo os momentos maravilhosos, os grandes amores, as doces lembranças já estão nas folhas amarelecidas do livro da vida…

     Temos a maior sorte por estarmos vivenciando a tremenda revolução na área da informação!!!!!

      Uma notícia, uma teclada ou um papo entre amigas, tem o condão de nos apontar que tantas e tantas novidades jamais sonhadas para nós possam existir… Basta ter curiosidade para novas páginas do livro serem preenchidas, ao menos para serem anotados fatos surpreendentes e… novos.

    Sobre a constelação sistêmica familiar, a nova técnica terapêutica, por exemplo, eu já tinha ouvido falar, mas meus carrillhons internos não deram sinal de curiosidade. Achei superinteressante, pois vem de encontro ao “feeling” de uma simples mortal como eu, no sentido de acreditar que herdamos dos nossos ancestrais não apenas as características físicas.

   Aliás, a ciência vem demonstrando que crenças, traumas, doenças, segredos e conflitos também compõem o genoma de cada um. Assim, faz todo sentido entender que a vivência de nossos antepassados forma uma espécie de memória que pode ser passada geneticamente para seus descendentes, influenciando-os sem que se apercebam

   Mas quando soube que este revolucionário método era assistido por cavalos… os sinos de todas as catedrais internas ecoaram!!!!!  

   Já que a equoterapia vem proporcionando resultados fantásticos a crianças com comprometimento mental, o que seria a constelação familiar assistida pelo mesmo animal???

    Antes de abrir a nova porta do conhecimento que me entusiasmou, fui dar uma olhada na internet para saber do que se tratava e, discretamente, coloquei a mão na maçaneta.

    Vi que a Ruth Villela, onde iria, é a expert do assunto no Brasil. Já de cara me impressionou o currículo que a levou a ser a mediadora nesta técnica. Certificados de especialista de coaching assistido com cavalos alcançados no México, na França, na Argentina, em Portugal, no Chile apontavam que a pessoa carregava uma bagagem considerável!!!!

     Quando soube então que empresas de peso, tipo a Procter&Gamble e a GE levavam grupos de funcionários para fazerem a Constelação Sistêmica Empresarial assistida por cavalos… Bingo!!! Minha curiosidade escancarou a porta e lá fui eu ver ao vivo e em cores a novidade.

    O entusiasmo das pessoas que estavam indo pela segunda ou terceira vez no espaço em que se desenvolvem as sessões, já elevou a minha curiosidade à enésima potência!

   Depois de uma explanação singela, fomos alertadas que estaríamos entrando em um campo morfológico, onde deveríamos livrar nossas mentes de tudo que não fosse o contato direto com a natureza

   Chegamos no redondel, onde um plantel de cavalos ocupava o centro do espaço que era cercado por cadeiras, onde nos colocaríamos.

   Como a minha relação com animais em geral é muito, mas muito restrita, a Ruth nem imaginou a tranquilidade que me deu quando disse que o cavalo não era carnívoro e que na eventualidade de algum nos tocar, deveríamos considerar como uma benção.

    Com o coração ainda batendo de medo (se tenho medo de um mini poodle, imagina diante de um portentoso cavalo), fechei os olhos quando um deles usou o focinho para apalpar minha cabeça, meu peito e meu pé. Lembrei da recomendação, respirei fundo e… agradeci a benção.

    Antes de dar início à constelação individual, a Ruth indicou a cada um que fora tocado por um cavalo, que era o ascendente que veio acalmar as dores da alma. Aí, meus carrillons internos viraram um instrumento eletrônico dos mais estridentes. Da enorme árvore genealógica, foi ressaltada a pessoa que mais amor me deu em vida – minha avó materna.

   Por tratar-se de algo tão pessoal, limito-me a descrever a dinâmica da “terapia”.

   A pessoa senta-se ao lado da mediadora e em duas ou três palavras indica o que quer seja constelado, sem dar o menor detalhe sobre o que a aflige.

    Os cavalos começam a se movimentar e a mediadora vai interpretando o significado de cada postura. É simplesmente impressionante o que acontece, pois, a maneira de ser justificado o problema… é imediato!!!!! Os cavalos dão em dois tempos, o caminho das pedras procurado por anos e anos nos divãs.

     Quantas vezes nos culpamos ou repetimos situações desagradáveis, cujas causas fogem do nosso entendimento? A sensibilidade extra-sensorial dos cavalos os leva a pinçar dentro do enorme sistema familiar que nos antecedeu, onde teve origem o emaranhamento que não conseguimos nos livrar. Entendendo onde estava o nó, uma nova luminosidade é trazida à nossa vida. Como em um passe de mágica, a herança negativa é desfeita e com ela, fica claro que realmente não nos pertencia a dificuldade que não conseguíamos ultrapassar.

    Os incrédulos, sem a menor dúvida, perdem o enorme favorecimento que a estudiosa Ruth Villela pode trazer de benefícios para conflitos tanto familiares como empresariais. 

   Já os curiosos… não vão ter elementos para não apreciar os resultados advindos com a inovadora técnica!!!!

Adicionar comentário