Eat to leive – Dieta do nutriente

 

O médico norte-americano Joel Fuhrman já vendeu 500 mil exemplares de livros com a proposta de emagrecer comendo salada. Isto não constitui nenhuma novidade já que todo mundo sabe que fazendo três refeições por dia, sem lanchinhos, e praticamente só “pastando”, vai emagrecer.

O que Fuhrman propõe, no entanto, é uma mudança no foco da dieta. Ao invés de manter-se preocupado com a quantidade de calorias ingeridas, deve-se pensar na qualidade do alimento. Dizer não aos produtos refinados e industrializados, ao leite e derivados e carnes, passa a ser a regra da mais nova área da nutrição: a nutrigenômica.

Foto: Divulgação

De acordo com o livro “Eat to Live” (ed. Little Brown, sem edição no Brasil) o médico argumenta que o indivíduo pode comer o quanto quiser e ainda assim emagrecer, se ingerir o alimento certo – e não sentir fome. Propõe um escore nutricional que vai de 100 a zero, de acordo com a densidade de nutrientes dos alimentos. Assim tem-se:

100 – Vegetais folhosos tipo: acelga, rúcula, espinafre, couve, mostarda, agrião;

97 – Hortaliças verdes tipo: alface romana, aspargo, brócolis, repolho, vagem, couve de Bruxelas;

Foto: Divulgação

Os produtos relacionados no escore 100 e 97 podem ser ingeridos ilimitadamente e o objetivo passa a ser comer 500 g por dia.

50 – Nesta classificação enquadram-se a alcachofra, beterraba, berinjela, broto de feijão, cebola, cenoura, cogumelos, couve-flor, pimentão, radicchio, raiz forte e tomate cujo consumo é limitado a duas xícaras por dia;

48 – Grão de bico, feijão azuki, feijão fradinho, feijão preto, lentilha, grãos e leguminosas, limitados a uma xícara por dia;

45 – é permitido comer quatro porções de frutas por dia tais como abacaxi, ameixa, banana, cereja, framboesa, kiwi, laranja, melão, morango, uva, pêra, pêssego e maçã;

35 – Vegetais ricos em amido como abóbora, milho, nabo e batata doce são reduzidos a uma xícara por dia;

22 – Cereais integrais (arroz integral, selvagem, macarrão integral, quinoa, pão) e batata inglesa podem ser os substitutos dos vegetais com amido do item anterior – ou um tipo ou outro e igualmente limitados a uma xícara por dia;

20 – Nozes e sementes (amêndoas, avelãs, castanha do caju, gergelim, linhaça, noz pecã, pistache, semente de abóbora e girassol) ficam reduzidas a 30 g por dia;

15 – Os peixes podem ser consumidos no máximo duas vezes por semana.

Nas seis semanas iniciais, a carne de aves fica proibida, assim como todo tipo de laticínios, ainda que magros e as carnes vermelhas. Os óleos refinados não podem ser consumidos de forma alguma, assim como os doces, farinha e açúcar refinado, arroz branco e farinha de trigo branca.

Foto: Divulgação

Efetivamente as pesquisas mais recentes indicam que há substancias nos vegetais, os fitoquímicos, que atuam no DNA das células e estimulam a queima de gordura. A restrição ao consumo de leite e derivados bem como o de carne é polemica entre médicos e nutricionistas.

A batalha de Fuhrman contra o estilo de alimentação moderna baseada no consumo desregrado de alimentos industrializados mesmo os que se intitulam light é bem aceita por todas as correntes de profissionais da área. Os produtos químicos contidos nestas comidas produzem substancias tóxicas inflamatórias que criam depósitos de gordura no corpo e aumentam a sensação de fome, segundo o médico.

A pesquisa na qual se fundamenta o livro foi feita pela Internet com 700 usuários através do site www.drfuhrman.com, e lastreia o conceito de fome tóxica, de acordo com o autor.

O livro está há mais de um ano na lista dos mais vendidos do jornal “New York Times” e em síntese propõe um novo método de eliminar muitos quilos em pouco tempo, sem passar fome e indo além, prevenindo doenças e melhorando a saúde à longo prazo.

O livro está à venda para quem se interessar no site da Amazon, amazon.com ao preço de R$19,46. Como pessoalmente adoro saladas e não sou fã de carnes vermelhas, fiquei muito tentada a lê-lo, não com o objetivo de perder peso já que não tenho este problema, mas para aprender uma nova ótica alimentar. Fica a dica.

Foto: Divulgação

 

Comentário 1

  • angela05/09/2013 em 19:42

    O livro é excelente, eu o comprei há quase dois anos e tenho ajudado muitas pessoas ao indicar suas orientações!

  • Adicionar comentário