Combate à inatividade

 

Nos Estados Unidos, as empresas e as seguradoras de saúde concluíram ser muito mais barato incentivar seus empregados e segurados a participarem de programas para manutenção e perda de peso do que bancarem despesas médicas decorrentes de males advindos de obesidade e falta de exercícios.

Há muito foi provado que o peso em excesso e responsável por descontrole de pressão arterial, altos níveis de colesterol, diabetes e problemas ósseos e articulares. Pessoas saudáveis não faltam ao serviço, aliviam as filas dos serviços médicos, são mais produtivas e não oneram as companhias de seguro, pelo contrário.

Assim sendo, diversos planos foram criados, com valores de prêmios diferenciados, conforme o comprometimento do beneficiário do seguro com sua própria saúde e a de seus familiares que façam parte da apólice.  Há, inclusive, a possibilidade de, ano a ano, mudar de classificação, na medida em que são cumpridas as metas durante o período antecedente.

Foto: Divulgação

O importante e que a cobertura de seguro não muda, só o prêmio barateia, o que torna o sistema atraente. As pessoas são incentivadas a manter um estilo de vida saudável, não importando que programa alimentar e exercícios tenha escolhido.

Gratuitamente, os cardápios são individualizados, de acordo com o tipo de vida da pessoa, podendo incluir as crianças, marido e mulher, mãe e filha, estabelecendo desafios e ajuda solidária, aumentando a possibilidade de êxito e fortalecendo o vínculo familiar.  O inverso também e verdadeiro, ou seja, se não houver continuidade e persistência na adesão aos programas, os valores são majorados.

Os participantes têm cartões especiais que marcam as idas e tempo de permanência nas academias e são feitas reuniões de “follow-up” mensais em que são tomadas medidas e avaliados os índices de massa corporal, de forma bem consciente e realista, com certa margem de tolerância pré-estabelecida.

As atividades não se restringem a quem tenha que perder peso, mas também aqueles que querem ser manter fisicamente ativos, para gozar de boa saúde.  Os grupos têm acompanhamento de psicólogos, fisiologistas, nutricionistas – tudo de graça – sob o patrocínio da empresa e da seguradora. Diversos sites são disponibilizados, que se adéquam caso a caso, por toda a vida do indivíduo – também com adesão gratuita – desde que os usuários se mantenham nos parâmetros indicados pelos profissionais especializados já citados.

Foto: Divulgação

O processo de adesão e muito simplificado e para toda e qualquer dúvida surgida há sempre um meio de dirimi-la, seja na forma de brochuras seja na forma de atendimento pessoal, para viabilizar o cumprimento das regras. Indo além, Dr. Mao Shin Ni, autor de Segredos da Longevidade – Centenas de Meios de Viver Até os Cem Anos, a diminuição da memória, a piora na capacidade de concentração e a rapidez de raciocínio associadas à velhice são causadas pela diminuição da circulação do sangue no cérebro e consequente perda de conexão entre as células cerebrais. Além de nutrição apropriada e exercícios físicos, Dr. Ni sugere que as pessoas ativem o raciocínio, fazendo contas de cabeça, palavras cruzadas, dediquem-se a novas leituras e aventurem-se em campos de conhecimento desconhecidos, evitando, mesmo no trabalho, serviços de rotina, sem criatividade, que nada acrescentem ao dia a dia. Inovar é preciso!

Conclui-se que, independente das linhas de tratamento adotadas, todas convergem para o movimento, o combate a inatividade, tanto do corpo quanto da mente e para uma alimentação racional e balanceada. Fica a sugestão para que as empresas seguradoras brasileiras também adotem o sistema americano, com benefícios para todos os envolvidos e para a nação como um todo: melhor e mais barato para os cofres públicos evitar que remediar.

Adicionar comentário