Centro Cultural FIESP

 

As exposições A Arte da Tapeçaria – Tradição e Modernidade
 e Fundição Artística no Brasil podem ser vistas nos dias 25 e 26, das 10 às 20 horas, e no dia 27, das 10 às 19 horas. De 24 a 27, o público poderá rever a obra O Ritmo de São Paulo, na Galeria de Arte Digital do SESI-SP, das 20 às 5 horas da manhã.

O feriado de aniversário de São Paulo é uma ótima oportunidade para colocar a agenda cultural em dia. Melhor ainda se a programação for gratuita e fizer parte do roteiro de atrações da Avenida Paulista, um dos símbolos da diversidade e pujança da cidade. O Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso, instalado no número 1313, oferece três opções de exposições que resgatam a criatividade e conectam técnicas tradicionais a novas tecnologias.

Galeria de Arte do SESI-SP – Apresenta a mostra A Arte da Tapeçaria – Tradição e Modernidade, em parceria com a Espírito Santo Cultura (RJ) e a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre.
A exposição tem curadoria de Luís Neves e reúne pela primeira vez no Brasil 48 tapeçarias de Portalegre, no Alentejo. A região é conhecida por suas tapeçarias murais decorativas, cuja produção é realizada por meio de uma técnica totalmente manual, que tem como ponto de partida obras de pintores famosos.

O acervo é composto por obras de 39 artistas, dentre eles Almada Negreiros, Camarinha, Júlio Pomar, Eduardo Nery, Le Corbusier, Vieira da Silva, Vik Muniz, Arpad Szenes, Graça Morais, Sonia Delaunay, Bruno Munari, Pedro Calapez, Lourdes Castro, Álvaro Siza, Rigo 23, Rui Moreira, Jean Lurçat, Hans Erni, Burle Marx e Joana de Vasconcelos.

Foto: Divulgação

A partir dos teares de Portalegre são produzidas obras de arte única, resultado de artistas que criam cartões originais, da técnica dos desenhistas que os ampliam e da maestria das tecedeiras, que executam com detalhe e rigor a obra final. Fundada em 1946, a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre adotou nova técnica de tecelagem e associou sua produção a grandes nomes da arte contemporânea. Trata-se de uma das últimas manufaturas no mundo a trabalhar com um bem cultural desta natureza de forma completamente manual. Atualmente, reúne mais de 200 artistas consagrados que produzem suas obras em tapeçaria.
 
Espaço Fiesp – Ilustra, na exposição Fundição Artística no Brasil, as principais etapas dessa atividade pelo método de cera perdida. Com curadoria de Gilberto Habib Oliveira, a mostra apresenta 45 peças, com acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo e trabalhos desenvolvidos por professores, alunos e técnicos da Escola SENAI Nadir Dias de Figueiredo, de Osasco, que mantém o Centro Técnico em Fundição Artística, núcleo de referência nesse setor.

Dedicado à recuperação e modernização dos processos de fundição artística no Brasil, o Centro Técnico em Fundição Artística realizou nos últimos três anos a capacitação de uma equipe técnica, investimentos em equipamentos e treinamento com a finalidade de oferecer cursos especializados em fundição de obras de arte.

Foto: Divulgação

Dentre os destaques, obras de Rodolfo Bernardelli, “escultor oficial” do Brasil durante o período Republicano e obras de Amadeu Zani, autor de vários monumentos públicos em São Paulo e no Rio de Janeiro, professor do Liceu de São Paulo e responsável pela vinda ao Brasil de artistas fundidores que ajudaram a formar jovens artesãos.

Outro ponto forte da exposição é o “Busto D. Pedro II”, de 1839, de autoria de Zépherin Ferrez, pertencente ao acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Galeria de Arte Digital do SESI-SP – Para homenagear a cidade de São Paulo, que completa 459 anos de fundação, a Galeria de Arte Digital do SESI-SP reapresentará, de 24 a 27 de janeiro, a obra O Ritmo de São Paulo, de autoria do espanhol Mar Canet e da estoniana Varvara Guljajeva.

A figura digital tem o aspecto visual de um metrônomo em constante movimento que traduz, em tempo real, a atividade dos paulistanos nas redes sociais. O trabalho artístico demonstra essa movimentação e a traduz em ritmo, apresentado na fachada do edifício-sede da FIESP/SESI. Em outras palavras: são os próprios paulistanos que realizam a obra, pois ela é resultante da agitação da população da metrópole no campo virtual.

Foto: Divulgação

Primeira Galeria de Arte Digital a céu aberto da América Latina, o espaço foi inaugurado em 3 de dezembro de 2012 quando, simultaneamente, foi realizada a primeira edição do SP_Urban Digital Festival que apresentou a obra O Ritmo de São Paulo pela primeira vez.

A Galeria de Arte Digital do SESI-SP é composta por 26.241 mil clusters, cada um formado por 4 lâmpadas de LED, instalados em 3.700 m² da estrutura metálica que reveste o prédio da Fiesp.

SERVIÇO
A Arte da Tapeçaria – Tradição e Modernidade – Galeria de Arte do SESI-SP – Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso (av. Paulista, 1.313 – Metrô Trianon-Masp)
Período expositivo: até 10 de março de 2013
Datas e horários: segunda-feira, das 11h às 20h; terça a sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 19h (entrada até 20 minutos antes do fechamento). Entrada franca.

Fundição Artística no Brasil – Espaço Fiesp/ Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso (av. Paulista, 1.313 – Metrô Trianon-Masp)
Período expositivo: até 10 de fevereiro de 2013.
Datas e horários: segunda-feira, das 11 às 20 horas; terça a sábado, das 10 às 20 horas; e domingo, das 10 às 19 horas (entrada até 20 minutos antes do fechamento). Entrada franca.
Galeria de Arte Digital do SESI-SP – Fachada do Prédio da FIESP/ SESI-SP (Av. Paulista, 1313, Metrô Trianon/Masp).
Perído expositivo: de 24 a 27 de janeiro, das 20 às 5 da manhã.
Entrada franca.

SESI-SP CULTURA
Jornalista: Thatiana Mendes

 

Adicionar comentário