Casa própria

 

As estatísticas falam por si só: oito a cada dez famílias brasileiras pretendem comprar a casa própria nos próximos dois anos, o que equivale a 7,9 milhões de pessoas!  Para o ano de 2013 é esperado o aumento de 10% no lançamento de imóveis  e entre 3,5% e 5% nas vendas, segundo balanço do Secovi – SP.

A expectativa é de expansão de 15% no financiamento imobiliário para este ano, chegando aos R$ 95,2 bilhões. Porém, o sonho da casa própria pode virar pesadelo. Segundo balanço de 2012 da AMSPA – Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências houve o aumento de 25% nas queixas contra construtoras, totalizando 2.748 reclamações contra 2.199 descontentes em 2011.

O levantamento revela que, entre os campeões no ranking dos aborrecimentos estão: atraso na entrega (70%), seguido das taxas SATI (15%) e Corretagem (10%) e problemas no imóvel, ou seja, vícios ou defeitos na obra (5%). Diante deste cenário, muitos compradores enfrentam dificuldades como: arcar com aluguel enquanto aguardam pela liberação do bem, adiantamento planos (como casamento) e, em muitos casos, ocorre a desistência da compra do imóvel.

Para evitar essas armadilhas, a AMSPA elaborou 10 dicas para fechar um negócio seguro, quais sejam:

1. Faça uma projeção da primeira até a última prestação. O ideal é que as parcelas não comprometam mais do que 30% da renda familiar. Além disso, é bom ter cerca de 50% do valor do imóvel depositado no FGTS, poupança ou em outras aplicações;

2. Pesquise a idoneidade da construtora com o pedido do CNPJ e a consulta ao PROCON. Esta etapa inclui o levantamento da incorporação do imóvel; verifique se o engenheiro e arquiteto estão devidamente registrados no CREA; INSS; existência de ações cíveis, trabalhistas e criminais; débitos junto à prefeitura e a situação do corretor junto ao CRECI;

3. Peça auxílio de um especialista para certificar-se da qualidade dos materiais e equipamentos que serão utilizados na obra, como elevadores, pisos, azulejos, pias, entre outros que estão especificados no memorial descritivo;

4. Fique atento para não pagar nenhum valor separado do contrato. Em muitas situações, o futuro mutuário acaba pagando taxas abusivas como, a SATI e a corretagem sem saber da sua ilegalidade e depois, quando vai atrás dos seus direitos, têm dificuldade de comprovar o pagamento feito a parte;

5. Guarde tudo, incluindo folders, anúncios, fotos da maquete do estande e do espaço interno da casa, pois poderão servir de provas, caso haja uma eventual propaganda enganosa ou uma promessa não cumprida;

6. Se o imóvel for usado, é fundamental conhecer a residência e conversar com vizinhos, além de verificar se a casa ou apartamento está ocupado. Se o bem estiver com morador pode gerar dor de cabeça, porque o adquirente terá que arcar com os custos de uma possível entrada na Justiça, que pode levar anos na hipótese de o ocupante não sair de forma amigável;

7. Formalize a proposta com tudo o que foi conversado e prometido pelo corretor, como preço, prazo, forma de pagamento, reajustes etc.;

8. Na hora de assinar o termo de compra da casa, não deve faltar a data da entrega da obra; a definição de multa no caso de descumprimento, que deve ser no mínimo de 2% mais juros de mora, igualmente a ser cobrada se o comprador não honrar com seu compromisso; se há aprovação do financiamento com o banco e quais suas condições; a discriminação da forma de pagamento e suas correções; e a metragem do imóvel;

9. Separe dinheiro para pagar despesas do Cartório, que giram em torno de 3% sobre o valor do imóvel e da escritura;

10. Para se precaver dos problemas durante a construção do imóvel o indicado é formar a “Comissão de Representantes”. Sua constituição está prevista na “Lei do Condomínio e da Incorporação” e especificada no artigo 55 da lei 4591/64. Por meio do monitoramento, os futuros moradores poderão ficar cientes sobre todo o andamento da obra, desde a qualidade do material que está sendo utilizado até o cumprimento do cronograma previsto no contrato, entre outros procedimentos.

O comprador seguindo as orientações e tomando as precauções acima, dificilmente terá dificuldades e abrirá um novo horizonte na vida, livrando-se do aluguel e garantindo tranquilidade nos anos futuros.

Foto: Divulgação

 

Adicionar comentário