Bonito-MS

 

Um dos destinos mais procurados do centro-oeste brasileiro, Bonito, em Mato Grosso do Sul, faz jus ao nome que tem. Belíssimas cachoeiras, trilhas verdes, grutas profundas e corredeiras de rios cristalinos são algumas das atrações a serem exploradas nessa região a 330 km de Campo Grande. Todas as atrações de Bonito só podem ser visitadas com guias especializados, portanto, programe-se com alguma antecedência.

Foto: Divulgação

Suas principais atrações são dentro de propriedades particulares, daí a necessidade dos guias autorizados pela EMBRATUR. A maioria dos passeios é pago, portanto separe um dinheiro extra para isso.

A gruta azul é deslumbrante e sem sombra de dúvida um must.

Foto: Divulgação

Passeio radical: um abismo com descida de rapel de 72 metros até um lago de águas cristalinas e cones submersos. Lá é possível praticar mergulho com cilindro (e é necessário credencial de mergulho básico). Quem não tiver o certificado, poderá realizar uma flutuação no lago.

Foto: Divulgação

História do local:

Habitado por diversas tribos de índios (Guaianás, Tapetim, Chamacocos, Kadiwéus e Nelique) no começo, Bonito era uma grande fazenda. Em 1915, a fazenda passou a ser o Distrito de Paz de Bonito (pertencente ao município de Miranda). Só em 1948, o território virou município e sua sede passou a ser Bonito. A população local conta com cerca de 25 mil habitantes. As festas mais populares da região acontecem em junho, nas festas juninas indo até dia 29, dia de São Pedro, o padroeiro da cidade.

Melhor período para visitação:

Em Bonito não há uma época certa para visitação. A primavera e o verão são quentes e úmidos, com chuvas esparsas que enchem os leitos dos rios. Durante o outono e inverno chove uma vez ou outra, mas o céu está sempre azul e as noites são estreladas e geladas. O clima é tropical com temperatura média de 22°.

Vegetação e relevo:

A vegetação da região de Bonito é basicamente o cerrado, com grande presença de campos, muito característico do centro-oeste brasileiro.

  • Bacia Hidrográfica: Rio Paraguai
  • Sub-Bacias: Rio Miranda e Rio Aquidauana
  • Rios: do Peixe, Formoso, Formosinho, Perdido, Sucuri

Precauções:

O calcário presente em toda a área garante a beleza natural dos solos e águas da região. Aliás, é esse calcário o responsável pela transparência das águas locais.

Uma das maiores atrações gastronômicas da região é o pacu assado recheado com farofa. Os sanduíches naturais também são bem comentados entre aqueles que vão praticar rapel no Abismo de Anhumas.

Bonito é a região da perigosa aranha armadeira. Se você vir alguma, comunique o guia e se afaste do local. Atenção também com as sucuris. Evite beber água dos rios locais, que por serem ricas em magnésio e calcário, podem causar desarranjos intestinais. O fuso horário da região é uma hora a menos que em Brasília. É proibido mergulhar com protetor solar ou qualquer tipo de loção protetora.

Levar, além das roupas de uso, biquíni e calção:

  • Boné
  • Cantil ou similar
  • Malha
  • Máquina fotográfica
  • Máscara e snorkel (também há passeios em que este material pode ser emprestado pela empresa)
  • Mochila
  • Roupa de neoprene (fundamental para atravessar as águas frias e manter o corpo flutuando nos rios), mas há passeios em que a roupa emprestada de neoprene está incluída no preço
  • Tênis para trekking
  • Repelente
  • Protetor solar

Melhor hotel da região:  Zagaia – oferece lazer, conforto nos quartos e piscinas além de sala de ginástica. A comida é farta e diversificada.

Os demais são pousadas menores, mais acessíveis, mas com menos atrativos.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Adicionar comentário