Annie Leibovitz

 

Annie Leibovitz podia ser apenas mais um nome no canto de uma foto. Mas não. A fotógrafa americana, nascida Anna-Lou Leibovitz, em Connecticut, em 2 de outubro de 1949, contou tão bem as histórias dos outros por meio de suas imagens que não conseguiu sair despercebida.

Ela extraiu da realidade histórias que ninguém mais conseguia ver. Não é à toa que artistas, músicos, políticos, editoras de moda e publicitários se renderam às imagens e ao senso estético de Annie, uma mulher que se importa muito mais com o que vê do que como é vista. 

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação

Sua primeira experiência como fotógrafa foi na Rolling Stone, em 1969, quando a revista ainda era uma pequena publicação de São Francisco, na Califórnia, sob o comando do editor Jann Wenner. Na época, Annie estava no terceiro ano de um curso do Instituto de Artes de São Francisco, onde tinha entrado, inicialmente, para se tornar professora de arte.

Foi só ao fazer um workshop de fotografia que ela percebeu que a pintura não era sua verdadeira vocação. Na revista, Annie registrou momentos decisivos da história americana e da vida dos principais músicos das décadas de 1970 e 80. Ela pôde, por exemplo, fotografar o casal John Lennon e Yoko Ono (por duas vezes!), a renúncia do presidente Richard Nixon e momentos íntimos de vários artistas, como os The Rolling Stones.

Foto: Divulgação

Aliás, seguir em turnê com a banda foi uma das experiências mais marcantes da vida de Annie, pois era um momento em que Mick Jagger e Keith Richards eram considerados os bad boys da música, envolvidos em um mundo regado a drogas e álcool. Annie decidiu se arriscar, em 1975, e caiu na estrada com eles. Acabou conseguindo momentos inéditos, desde a glória nos palcos até a decadência nos bastidores.

Foto: Divulgação

No início da carreira, a fotógrafa seguia uma estética do acaso, sem grandes produções, e dava preferência às fotos em preto e branco. Era um momento de inspiração para Annie, que tinha como ídolos os fotógrafos Robert Frank e Henri Cartier-Bresson, conhecidos por tornar a fotografia algo mais real, mais próximo do cotidiano.

“Coisas acontecem na sua frente e você tem de estar preparado para decidir quando usar a câmera. Esse é um dos aspectos mais interessantes e misteriosos da fotografia”, revelou Annie em seu livro At Work.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

 

 

Comentários 5

  • Nayma22/04/2014 em 05:22

    obrigado, fiquei espantado por este blog. Eu encontrei esta pagina usando bing pesquisa, e certamente gosto de percorre-lo, entao eu provavelmente vou voltar novamente dentro de uma semana e ler um otimo artigo novo!

  • simone menezes31/03/2014 em 16:34

    Encantada com o Site de vcs, parabéns a todas pelo belíssimo trabalho que vêm sendo desenvolvido.

  • Lu Rodrigues08/08/2012 em 13:37

    Grande Anne, talento, requinte, técnica e ousadia. Parabéns a vcs por lembrarem de uma fotografa que faz história no jonalismo internacional.

  • gilda03/08/2012 em 00:56

    excelentes seus comentarios sobre Annie Leibowitz,de quem tive o prazer de ser amiga em Nova york onde morei 4 anos e fui grande amiga de Bea Feitler com quem Annie trabalhou.

  • Amantes da Vida01/08/2012 em 16:25

    Paula, você sempre nos prestigiando aqui no Portal!

  • Adicionar comentário