Anna Marie Jarvis

 

A mentora do Dia das Mães

Mal sabia Anna Marie Jarvis onde levaria a sua depressão, quando ficou órfã de mãe. Suas amigas penalizadas com sua dor resolveram inventar uma festa para homenagear a falecida e ela achou que a idéia deveria ser estendida a todas as mães, mortas e vivas.

Anna saiu da depressão com a bola toda e dois anos depois já estava à frente da Associação Internacional para a Criação do dia das Mães. Ela e a irmã se empenharam ao máximo na campanha, tendo sido até presas por perturbarem a paz da pacata cidade de Grafton. Mas, obtiveram êxito.

Efetivamente, depois de três anos de luta, o Governador da Virginia sucumbiu á pressão e incorporou ao calendário local a comemoração, isto em 1910.
Quatro anos depois, o então Presidente dos EUA, Woodrow Wilson unificou a celebração em todos os estados americanos. Em dois tempos, 35 países adotaram a idéia.

Foto: Divulgação

A sensível Anna tinha a melhor das intenções na sua luta, tanto que na primeira Missa das Mães realizada na Igreja de Grafton no segundo domingo de maio, enviou 500 cravos brancos para serem distribuídos dois a cada mãe presente. Imaginou estar criando outra tradição – a doação da flor que simboliza a pureza, o amor, a fidelidade, a caridade, a beleza.

Doce ilusão. As luzes dos comerciantes logo se acenderam e trataram de obter fins lucrativos com a festividade. No início, a febre eram os cravos, mas em dois tempos, estes caíram na desgraça e infindável leque de produtos se abriu dai pra frente.

Ai então, a Anna quase pirou e fez o caminho inverso. Entrou com ação para cancelar o dia das mães e nesta nova luta, ela e a irmã gastaram o que tinham e o que não tinham. Claro que não obtiveram o menor sucesso.

A coitada morreu na miséria aos 84 anos e sem ter sido mãe. No mínimo os comerciantes dos países que se locupletam com a merecida comemoração ás mães, deveriam render uma homenagem à mentora.

Mas como a memória é curta… Palidamente ficam aqui consignados nossos agradecimentos, como mães presenteadas que somos à ANNA MARIE JARVIS.

 

Comentários 9

  • Anônimo10/05/2014 em 22:22

    Eu não sabia.. Obrigado pela informação…

  • Anna Braga10/05/2014 em 07:38

    Delícia de artigo. Não fazia ideia de como começou a comemoração…
    Obrigada pela publicação.

  • Nívea09/05/2014 em 22:57

    Muito bacana! Não sabia disso!

  • Elisete Toledo11/05/2013 em 03:58

    Amei a informação…..irei divulga-la em agradecimento a mentora desse evento. Parabens Ana Boucinhas por compartilhar esse fato conosco!

  • Erika Cabral14/05/2012 em 00:52

    Muito interessante a origem que eu desconhecia e obrigada pelos cravos brancos.

  • Helena Heloisa Wanderley Ribeiro13/05/2012 em 14:22

    Gostei de saber que nosso dia nasceu de uma superação de depressão do luto pela perda da mãe. Como amantes da vida, vamos superando as dificuldades próprias da idade e desafiando-as, nós nos tormamos mais aptos a fruir do bom e do belo.
    Parabéns pela matéria.

  • Maria Eugenia Cerqueira13/05/2012 em 13:14

    Momento de cultura que garanto muito pouca gente sabia!!!

  • Lilian G.Trebilcock13/05/2012 em 08:50

    Muito bom saber aorigem do dia de hoje. Sempre achei que era só comercial; muito me confortou saber que o amor por uma mãe foi a fonte de inspiração embora tenha virado depois a fome pelo metal.
    apesar da distorção viva o amor que inspira!
    beijos a vcs do site, cada vez melhor.

  • Adicionar comentário