Amanda Delboni

 

AMANDA DELBONI é daquelas criaturas que distribui luz, apenas com sua presença marcante e simpática.

Mulher atuante, dinâmica, sempre atenta à realidade, soma ao leve título de socialite, uma gama de sucessos em todos os empreendimentos a que se propõe. Sendo mestre na arte de se relacionar, Amanda nos delicia em seu blog, com propostas que leva ao bem-viver.

AV – Você sempre se destacou pelo dinamismo na área profissional. Você mantém o mesmo ritmo?

AD – Sou Farmacêutica e fiz Administração de Empresas o que me levou a me dedicar a diversas áreas, inclusive a escola de Balé Amanda e Verônica. Durante 15 anos mais de cinco mil alunas passaram por ela, me permitindo afirmar que felizmente fui bem sucedida. Aos poucos fui me desfazendo dos meus compromissos profissionais e me dedicando a outros tipos de atividades culturais e sociais.

AV – Dentro da arte, onde você encontra maior satisfação?

AD – Faço esculturas em bronze, tendo inclusive participado de muitas exposições pelo mundo onde ganhei inúmeros prêmios, o que me deixa muito feliz. A pintura em porcelana também ocupa um importante lugar no meu amor à arte.

AV – Como é o seu envolvimento com a maturidade, Amanda?

AD – Muito bom. Convivi a minha vida inteira com minha querida mãe, que infelizmente se foi há dois anos, assim me acostumei tanto com a maturidade alheia antes da minha; Acho que o sentimento da juventude é interno e me sinto cada ano mais jovem.

AV – Quando se deu o seu interesse pelo novo mundo da informática, que a levou ao seu delicioso blog?

AD – Há uns quinze anos atrás senti a necessidade de me preparar para a realidade que estava surgindo…

AV – Sua intimidade com a escrita vem de longo tempo – Você chegou a publicar algum livro?

AD – Sendo filha de um grande escritor, que deixou mais de 40 livros publicados, herdei o prazer pela escrita e tive dois romances editados: “O destino disse Não” e em parceria com o Dr.Salomão Chaib, fiz um intrigante romance policial, “Ambição Fatal”.

AV – O que a levou a criar seu blog?

AD – Na verdade, minha ideia seria escrever um livro sobre a Inteligência Emocional. Eu lido muito bem com o próximo e tudo o que escrevo pratico mesmo. Minha filha que hoje é Professora de Jornalismo na Florida Internacional University, além de correspondente dos Estados Unidos, sugeriu que começasse um blog que poderia se transformar num livro no futuro. Esta na verdade é a meta, caso uma editora se interesse. Tenho recebido diversos convites para dar palestras e devo começar a aceitar em breve, conforme a disponibilidade de tempo.

AV – Quais os assuntos de sua preferência sobre os quais discorre com tanta elegância?

AD – Gosto de temas que coloquem em prática a arte do relacionamento com o próximo. Acredito que a convivência está sempre ligada à sabedoria.

AV – Qual o prazer maior que seu blog lhe dá?

AD – A grande satisfação de quem escreve é o fato de ser lido com atenção. Saber que muitas pessoas estão refletindo e até mudando suas atitudes graças à leitura dos meus comentários é muito gratificante.

AV – Como você está sentindo a alteração comportamental dos “envelhescentes”?

AD – Acho que estão começando a perder o medo da tecnologia e tendo interesse em aprender. E isto vale para tudo na vida. As pessoas hoje demoram mais a envelhecer, pois os recursos são enormes, tanto no ponto de vista da medicina, quanto da informação.

AV – Com tantos compromissos sociais, culturais e virtuais, ainda sobra um tempinho para atividade física?

AD – Claro. Adoro fazer ginástica. Quase que diariamente faço esteira e musculação; Acho imprescindível tentarmos nos manter em forma, para que possamos participar de tudo o que a vida nos oferece, desde que tenhamos saúde.

 

Comentário 1

  • José Antonio25/08/2014 em 10:40

    Amanda

    Acabo de lê três obras de Alberto Montalvão. Muito relevante o trabalho do teu Pai. Estou Publicando um livro e citarei algumas frases de autoria dele. O meu livro terá uma lista dos autores citados com dados biográficos completos, pois dele só tenho a data de nascimento.
    Preciso da data de falecimento para situá-lo no tempo.

    Agradece
    José Antonio

  • Adicionar comentário