Algum tempo atrás

 

MUDANÇA NOS COSTUMES – Quem nos viu e quem nos vê…

A nós, da geração baby-boomer estava programada a repetição dos padrões de comportamento das nossas mães. Não bastando a rigidez no visual, ainda éramos bombardeadas com as matérias institucionais, saídas das revistas femininas.

Quem nasceu em torno de 1952, pode ate disfarçar, mas que sabe da existência das revistas da época, não dá para negar.

A Claudia e a Querida eram as mais conhecidas e disputavam com outra chamada “Jornal das Moças”. No mínimo interessante, transcrever algumas pérolas, para que nossos filhos se conscientizem do tamanho do salto qualitativo que demos a partir do final da década de 60.

Foto: Divulgação

– A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas;

– Nada de incomodá-lo com serviços domésticos;

– Desordem na casa de banho desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa;

– Se seu marido fuma, não discuta pelo simples fato de deixar cair cinza no tapete. Tenha cinzeiros espalhados pela casa toda.

– Sempre que o homem sair com amigos, e voltar tarde da noite, espere-o linda, cheirosa e dócil.

– Se a esposa desconfiar da infidelidade do marido deve redobrar seu carinho e provas de afeto.

No mesmo período em que chegou a pílula anticoncepcional, a Claudia, em 1967 saiu-se com esta;

“A mulher deve estar ciente de que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido a experiências pré-nupciais, mostrando ser perfeita e única, exatamente como ele a idealizou”. E tem mais – “Mesmo que o homem consiga divertir-se com sua namorada ou noiva, na verdade ele não irá gostar de ver que ela cedeu”.

Estas verdades eram tão fortemente enraizadas no inconsciente coletivo feminino, que quando Betty Friedman detectou “o mal desconhecido” que causava insatisfação nas mulheres casadas, os chutes das causas apontadas pela mídia foram punks.

“Só pode ser pela incompetência dos profissionais que davam manutenção aos aparelhos eletrodomésticos”. “Talvez o excesso de reuniões de pais nas escolas, seja a causa maior”.

Os consultórios médicos então devem ter faturado horrores naquele período em que a mulher se sentia culpada por não se sentir feliz trancada dentro de casa. Pensamentos negativos quando o marido chegasse tarde em casa ou o desinteresse em fazer-se dócil quando desconfiasse de uma infidelidade, eram males curáveis com tranquilizantes receitados e muita terapia.

Não é por nada não. Mas quem nos viu e nos vê… anos luz nos separa das clássicas vovós, as então idosas. Claro que fizemos um caminho sem volta. Mas cá entre nós, os homens deram uma bela bobeada, pois perderam uma mordomia incrível!

O Jornal das Moças deveria ser o queridinho das mamães e da geração seguinte a nossa, a Claudia e a Querida, que seguiam a risca os mesmos conselhos.

Foto: Divulgação

 

 

Comentários 10

  • Maria Eugenia Cerqueira13/01/2013 em 00:47

    Ana, na realidade o artigo podia chamar-se “há muito pouco tempo atrás…” Xô passividade feminina!

  • silvia smit kitadai10/01/2013 em 15:13

    Querida Ana Maria,
    Desconhecia essa sua veia jornalística…
    Parabéns,
    Silvinha.

  • Raquel Alessandri25/05/2012 em 00:09

    Ana Maria, você fundamental para todas nós. Você é a alma,e vida de tudo que nos tem propocionado. Nos fazendo reviver o passado, viver o presente e criando alegrias e desejos para o futuro. VOCE É UNICA ! MARAVILHOSA, um orgulho para nós mulheres.Sou sua admiradora nesses vinte anos que nos conhecemos,PARABÉNS AMIGA.
    BJS RAQUEL ALESSANDRI

  • Av23/05/2012 em 22:35

    Salva pelo gongo,Ana Margareth rs

  • Ana Margareth Scali23/05/2012 em 20:09

    Depois de ler esse artigo, só tenho que agradecer o fato de ter nascido em 1960, quando as coisas , conceitos,modo de vida, começaram a melhorar!!!! Que sorte a minha.

  • amanda delboni23/05/2012 em 17:29

    Oi Ana Maria querida,
    Muito inteligente e cheio de conteúdo seu blog
    Algum tempo Atrás.
    FEz com que voltássemos no tempo.
    Parabéns ,Beijos
    Amanda Delboni

  • amanda delboni23/05/2012 em 17:28

    Oi Ana Maria querida,
    Muito inteligente e cheio de conteúdo seu blog
    Algum tempo Atrás.
    Interessante , verdadeiro, tudo de bom!!!
    Parabéns ,Beijos
    Amanda Delboni

  • Elizabeth Valente23/05/2012 em 17:14

    Adorei esse seu artigo. Nós podemos atestar de cátedra, não é mesmo… Ainda bem que os tempos mudaram mto e nós conseguimos acompanhá-lo sem perder o passo!!! Bjo gde

  • Adicionar comentário