Abu-Dhabi


Dos sete Emirados Árabes, Abu-Dhabi, capital da Federação é a mais rica, a que gera o destino do País, a que mais mantém as características árabes e a que com certa prepotência explicita, marca território.

Realmente, não fossem os 10 bilhões de dólares dados pelo sheik Khalifa bin Zayede ao vizinho, Dubai teria tido sérios problemas com o grupo de investidores na construção do prédio mais alto do mundo, atualmente.

Foto: Divulgação

Na última hora o Burj Dubai teve que trocar de nome e passou para a história como Burj Khalifa em agradecimento sic.
Aproveitando-se do extraordinário pólo turístico construído em Dubai, Abu-Dhabi resolveu investir em eventos culturais e esportivos e não deixou por menos.

Em 2007 já abre as portas da terceira maior mesquita do mundo. Com um investimento de 545 milhões de dólares, o pai do Khalifa mandou ver em requinte e bom gosto, no presente que deu ao seu povo.

Inteira em mármore branco, seu interior além de um show de lustre com um milhão e meio de cristais Swarowsky, dos seus 22mil metros quadrados de área interna, 5.627são ocupados pelo maior tapete do mundo, que pesa 47 toneladas. 1.300 iranianas simplesmente bordaram 2.268.000.000 pontos. Para quebrar a monotonia das paredes de mármore, discretos galhos de jade, com flores também em pedras preciosas, dão deslumbrantes toques de refinamento.

Não bastando a preocupação com a forma, a iluminação da Mesquita arrebatou o prêmio máximo da ILAD (International Lighting Designers em 2010). O edifício parece ir se transformando de acordo com o calendário lunar, até se transformar numa enorme massa branca no período da lua cheia. Ainda tem o lance da projeção de imagens de nuvens em movimento sobre a Mesquita, uma referência à Meca, obrigando a criação de um software especial para o comando de 2 mil projeteis.

Foto: Divulgação

Na área esportiva, a pista de Abu-Dhabi já faz parte do calendário da Fórmula 1. Ainda que o projeto do alemão Herman Tike seja criticado, pois as ultrapassagens difíceis tornam menos empolgante a corrida, a pista simplesmente passa por dentro do tremendo hotel Yas Viceroy, que não pode ser mais chique.

Uma decoração clean, extremamente luxuosa é aliada a altíssima tecnologia neste 5 estrelas.

Claro que para completar o clima, um tremendo parque temático da Ferrari ocupa 2.500 hectares de terreno, próximo a pista.
Aos que curtem adrenalina, fortes emoções não faltam. Simuladores da Ferrari da Formula 1, percorrem um circuito de 2 km, depois de alcançarem 100 km em dois segundos! Com mais de 20 atrações emocionantes, a montanha russa, com seus carrinhos Ferrari, voando a 240 km parece ser a vedete.

Cultura? Põe cultura nisso. Apesar dos fortes movimentos franceses, os trabalhos para a construção da filial do LOUVRE estão em andamento, diria lento, mas estão.

Na Saadiyat Island, 27 km quadrados de área e 27 bilhões de dólares estão reservados para ser dividido entre o Museu Frances, o Guggenheim, projetado por Frank Gehry, o de Bilbao e mais outros dois museus.

Definitivamente, bilhões e bilhões de dólares estão sendo investidos para que Abu-Dhabi torne-se uma referência mundial da cultura.

A Humanidade agradece.

 

 

Comentários 2

  • ALIETE29/05/2012 em 23:14

    Adorei seu depoimento sobre este passeio que vcs fizeram ,acho que vou me candidatar para uma proxima ,parabens ao casal 100, abraços

  • Adicionar comentário