“A Invenção Concreta”

A Coleção Patrícia Phelps de Cisneros inaugura a maior mostra de arte latino-americana de toda sua história, no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía.

Aproximadamente 200 peças de arte abstrata de artistas do Brasil, Venezuela e Argentina estarão expostas, até setembro, na mostra “A Invenção Concreta: Coleção Patrícia Phelps de Cisneros”, no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía, de Madri (Espanha).

Doze artistas brasileiros terão suas obras expostas, como Mira Schendel, Lygia Clark, Lygia Pape, Cildo Meireles e Hélio Oiticica.

A mostra, que estará aberta à visitação até o dia 16 de setembro de 2013, reúne representações amplas e originais das mais importantes obras da abstração geométrica da América Latina, por meio de uma inovadora estrutura curatorial, focada nas diferenças intencionais de cada artista.

Foto: Divulgação

As novas tecnologias estarão presentes no projeto, por meio de conteúdo interativo dentro do Museu. Um aplicativo para iPad, por exemplo, poderá ser baixado gratuitamente e um site na internet complementará a experiência do espectador.

Com o objetivo de aumentar o interesse e conhecimento sobre a importância da América Latina na história da arte moderna e contemporânea, a Coleção Patrícia Phelps de Cisneros (CPPC) exibirá, no Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía, cerca de 200 de suas peças mais representativas, entre pinturas, esculturas, instalações, obras gráficas, etc, muitas das quais nunca foram expostas na Espanha.

Foto: Divulgação

A exposição representa uma oportunidade única para conhecer melhor a abstração geométrica dentro da arte latino-americana. É a maior mostra da história da Coleção Patricia Phelps de Cisneros e a primeira a implantar uma estrutura curatorial focada nas diferenças intencionais dos artistas.

Ao invés de organizar a exposição de arte de acordo com o período do qual as obras pertencem, por meio de uma sequencia cronológica ou de um contexto geográfico, o curador da mostra resolveu expor as peças por ordem de intenção dos artistas, como o diálogo, a geometria, a ilusão, a vibração e o universalismo.

A exposição trará obras doadas por Patrícia Phelps de Cisneros ao Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA); como o Box bolide 12 e o “arqueológico” (1964 – 1965) de Hélio Oiticica ou da obra “Construção em preto e branco” (1938) de Joaquim Torres García ou o “Fio” (1990 – 1995) de Cildo Meireles.

A novidade da exposição são as novas tecnologias e as redes sociais, que permitirão aos visitantes complementar a experiência por meio de aplicativos, contendo maiores explicações e contextualizações sobre cada obra. Por intermédio de dispositivos móveis, como iPads, os espectadores poderão interagir com as obras e acessar conteúdos exclusivos. A intenção é enriquecer ao máximo a experiência do visitante no museu.

Foto: Divulgação

O público da América Latina também poderá acessar o site (www.lainvencionconcreta.org) para conhecer melhor as obras expostas, os artistas e suas intenções, e, em caso de dúvidas, esclarecer seus questionamentos, além de ter ainda a opção de compartilhar a experiência nas redes sociais.

“Nessa exposição estamos dando um uso muito ativo às novas tecnologias e às redes sociais, por que nosso objetivo é romper as barreiras, poder impactar não só as pessoas que vierem visitar a mostra, mas também, chegar a todos que não puderam ir, mas estão interessados nas obras de abstração geométrica da arte latino-americana” afirmou Patrícia Phelps de Cisneros.

A mostra, que faz parte do acordo de Colaboração assinado, em 2011, pela Coleção Patrícia Phelps de Cisneros e o Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofía, estará aberta ao público até 16 de setembro de 2013 e contará com atividades paralelas como: o Congresso Internacional “Encontros Transatlântico: Discussões vanguardistas na Espanha e na América Latina”, visitas guiadas e um catálogo da exposição editado como um livro de ensaio, que incluirá uma introdução realizada por Patrícia Phelps de Cisneros, assim como textos dos curadores da exposição, de especialistas como Andrea Giunta, Reinaldo Laddaga e Olga Fernández López, e artistas contemporâneos como Txomin Badiola, Jorge Pedro Núñez e Steve Roden.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Patrícia Phelps de Cisneros é uma das pessoas mais conhecidas no meio da promoção da arte, cultura, música e da educação, na América Latina. Atualmente, é conhecida como um dos mecenas mais influentes no mundo.

É fundadora da Coleção Patrícia Phelps de Cisneros (CPPC), um dos principais programas da Fundação Cisneros, focado na conservação, preservação e promoção da cultura latino-americana.

Patrícia Phelps de Cisneros é membro do Conselho Administrativo do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, membro do Conselho da Sociedade das Américas, membro fundador do CIMAM (Comitê Internacional do ICOM para Museus e Colecionadores de Arte Moderna), membro do Comitê de aquisições da América Latina da Tate, Londres; do Conselho Internacional de consignatários da Fundação Rainha Sofia e do Comitê Internacional dos amigos de fundação do Museu do Prado. Também integra o Comitê Internacional de jornalista e a Comissão dos amigos americanos da Fundação Beyeler, entre outros.

 

Adicionar comentário