A energia da palatinose

por Maria Eugenia

Recentemente indo a uma nutricionista, fui apresentada a um carboidrato diferente, do qual nunca havia ouvido falar: a palatinose, também conhecida como isomaltulose. Trata-se de um tipo de sacarose, 100% natural, obtida a partir da união da glicose com a frutose, encontrada no mel, na cana-de-açúcar e na beterraba.

A comercialização é feita a partir da extração na beterraba. A produção em larga escala a partir do açúcar deste tubérculo decorreu da descoberta de uma enzima naturalmente ativa que conseguia modificar a estrutura molecular da sacarose convencional.

É um pó branco, puro e cristalino que fornece glicose de um modo mais equilibrado, ou seja, gera energia por muito mais tempo por ser lentamente liberada na corrente sanguínea. De baixíssimo índice glicêmico (IG de 32), a isomaltulose não acarreta picos de glicose e, como consequência, de insulina no organismo.
Por conta desta absorção demorada, a palatinose é recomendada tanto para quem quer praticar atividades físicas, já que terá energia por mais tempo, quanto para quem quer emagrecer, por reduzir a fome e a necessidade de consumo de açúcar.

Como benefício extra, os estudos concluíram que a substituição parcial de carboidratos com um índice glicêmico mais elevado, auxilia na oxidação de gordura, permitindo a utilização da gordura corporal e de ácidos graxos como fontes de energia antes e depois dos exercícios ou seja, ajuda a gerenciar o peso.

A quantidade de calorias da palatinose é a mesma do açúcar comum. Estudos afirmaram que em pessoas obesas, o acúmulo de gordura visceral foi reduzido. Como retarda a sensação de fadiga, a isomaltulose aumenta a resistência e melhora o rendimento físico.
Com tantos benefícios já comprovados, e por determinação do profissional da área de nutrição, incluí na minha dieta diária a palatinose. Sugiro que leiam a respeito e consultem seus médicos, sempre antes de fazer qualquer modificação dietética. Mas convém não esquecer do assunto. É inovando que atingimos resultados diferentes e positivos.

Adicionar comentário